Qual justificativa sobre suas limitações tem te parado?

A descrição que chegara aos ouvidos do profeta Samuel a respeito de Saul era de um jovem de boa família, que ainda estava no começo de sua vida. Benjamita, de parentela abastada e influente, Saul se destacava por sua altura, beleza e valor (I Sm. 9. 1e2). No entanto, não é assim que o futuro rei se via.

No encontro com o profeta, Saul revela uma visão distorcida de sua própria imagem. Sua reação ao comissionamento para o reinado foi revelar-se inferior para cumprir a missão. Minha tribo é pequena demais, minha família é pequena demais, eu sou pequeno demais… Não fale assim comigo, foi a resposta do futuro rei. A Bíblia é cheia de exemplos de pessoas que não se consideravam aptas para o chamamento divino. Jeremias se comparou a uma criança, Isaías se disse pecador digno de morte, Moisés pesado de língua. E você? Qual justificativa sobre suas limitações tem te parado?

Samuel informou a Saul que “O Espírito do Senhor virá sobre ti… e serás transformado em outro homem” (I Sm. 10.6). Pra cada propósito determinado há capacidade disponível, mas para tal precisamos compreender que nossas limitações são oportunas para Deus. Nossa maior missão depende do poder e senhorio de Deus e não das nossas aptidões. Nós o glorificamos quando vencemos a inferioridade baseados em sua Palavra e partimos rumo ao nosso propósito de vida. Precisamos alinhar nossa visão sobre nós mesmos com o que Deus diz que somos!

Saul foi cheio de Deus. Sua transformação chamou a atenção de quem já o conhecia, no entanto, logo deu lugar a velha natureza. Diante da pressão, cedeu ao medo de não ser aceito e se escondeu (I Sm. 10.22). Enquanto uns não saem do lugar porque não se consideram “adequados”, outros param por medo de serem “rejeitados”. Saul experimentou das duas situações. A busca de aprovação humana mina nossa identidade em Deus, corrompe nossa motivação e obstrui o caminho ao nosso destino. Foi esta a experiência do rei.

Enquanto a inferioridade, o medo e a busca por aceitação dominar nossas emoções e motivar nossas ações, os resultados obtidos serão aleijados no que diz respeito ao Reino e a Glória destinada ao Pai. O caminho desta disfunção levou Saul à desobediência e, mais tarde, à morte. Deus buscou para seu povo outro rei, que, ainda tomado por seus defeitos, saiu a todas as guerras confiado no Seu Deus.

“Deus é minha força e poder; e Ele faz perfeito o meu caminho.” (II Sm. 22.33)

E quanto a você? Vencerá teus inimigos internos ou será vencido por eles? Se decidir-se pelo triunfo, levante-se agora e siga em frente. Eis a canção de quem: “O Senhor é a minha força e o meu escudo; meu coração confiou nele, e eu sou ajudado; portanto, meu coração se regozija grandemente; e com minha canção eu o louvarei.” (Sl. 28.7).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *