Oh… que saudades da infância…

“Oh… que saudades que tenho da aurora da minha vida, da minha infância querida que os anos não trazem mais!…”

É com um pedacinho do poema de Casimiro de Abreu, Meus 8 anos, que quero iniciar meu artigo dessa vez.

Onde está aquela infância ingênua, pura, que brincava, como eu, de amarelinha, escravos de Jó, cantigas de roda e etc ???

Onde foi parar aquela infância que brincava com bonecas, carrinhos, pipa, gude, pique esconde, pega-pega e tantas outras brincadeiras presenciais de rua, ao ar livre???

A infância se perdeu e com ela foram geradas através da internet, crianças e adolescentes individualistas…

Os pais estão cada vez mais desorientados e não sabendo como lidar com essa geração. Assim, cedem mais, permitem mais… E as crianças e adolescentes sendo diagnosticadas com transtornos comportamentais desenvolvidos pelo excesso e uso inadequado do computador.

O que foi feito da ordem de Deus, que está em Provérbios 22:6 – “Instrui o menino no caminho em que deve andar, e até quando envelhecer não se desviará dele.”?

A internet tem invadido as nossas casas e as vidas de nossos filhos e muitas vezes ceifado suas vidas!
Faltam limites, disciplina e falta autoridade dos pais.

Nossos jovens mudam de comportamento e muitas das vezes essas mudanças não são percebidas pelos seus pais. Como por exemplo: que os jovens não saem mais de casa para se encontrarem com os amigos, com tanta frequência como antes; que seu apetite e sono foram alterados; que choram com frequência; que estão mais irritados e/ou agressivos; que o quarto é o seu local preferido da casa e etc…

O que fazer diante desse quadro triste?

Alguns conteúdos da internet tornaram-se motivos de fugas de emoções mal resolvidas e de palavras não ouvidas, pelos seus pais!

E o tempo que nossos filhos passam diante de um computador, tablet e celular é maior do que o tempo que passam reunidos em família, dialogando, trocando, discutindo… Enfim, usufruindo de momentos saudáveis!

Está sendo criada a “Geração Robotizada”, sem emoções e reações, insensíveis, mas obedecendo comandos de máquinas.

Vamos acordar, pais! Olhem verdadeiramente seus filhos, olho no olho, toques e palavras…

Carmen Pires é psicóloga, psicopedagoga, consultora em Gestão de Pessoas e membro da Primeira Igreja Batista de Campo Grande (RJ).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *