O refrigério da sombra…

sombra

“…como o escravo que suspira pela sombra…” (Jó 7.2a)

Estas são expressões de um homem caracterizado por perdas irreparáveis, por sofrimentos inimagináveis e que fazendo reflexão profunda sobre a vida, percebe o valor da sombra para o escravo: “como o escravo suspira pela sombra…”, após um tempo significativo de trabalhos pesados, esforços sobre-humano, facilmente compreendemos o anseio do escravo pela sombra, verdadeiro refrigério, lugar de descanso.

Nesta percepção, o salmista  encontra na sombra do Senhor, certeza de descanso e proteção:

 “O Senhor é quem te guarda; o Senhor é a tua sombra à tua direita” (Sl 121.5). Não há nada tão próximo quanto a sombra!

Há ciclos difíceis em nossa vida, quando ansiamos pela sombra e buscamos renovo para prosseguirmos, sem desfalecer, antes, nos sentimos mais fortalecidos. A esperança profética de uma Nova Jerusalém, fez o profeta Isaías declarar:

 “A glória de Deus cobrirá e protegerá o seu povo, de dia ela será uma sombra, para proteger do calor…’ (Is 4.5b-6).

Mais uma vez, o salmista conta com proteção e defesa do Senhor, face aos momentos de calamidade:

 “Tem misericórdia de mim, ó Deus… na sombra das tuas asas eu encontro proteção até que passe o perigo” (Sl 57.1).

Certamente, não são poucas as situações desgastantes, em que ansiamos proteção e refrigério; por vezes, surgem algumas aparentes ‘fontes” de descanso, contudo, exclusivamente o Senhor é nossa sombra apropriada, perfeitamente eficaz para nossas dores, temores e dias maus.

Esperemos nEle, a Sombra do Onipotente, descanso nos dará!

Amém.

Lídia Lopes é pastora, bacharel em Teologia pelo Seminário Teológico Batista do Sul do Brasil, com convalidação na Escola Superior de Teologia (RS). Professora de Hermenêutica e Visão Panorâmica do AT e NT no Seminário Teológico do Oeste e Palestrante.

1 Comment

  • Que lindo! Amei. Meditar neste texto é como um bálsamo para nossa alma. Obrigada, Lídia. Esse texto me fez muito bem. Acho que estou precisando…suspirando mesmo pela sombra do Onipotente.

Deixe seu comentário