O ninho vazio – Parte 1

O ser humano, é carente e necessita estar entre as pessoas!

Mas, precisamos nos preparar, porque um dia, mais cedo ou mais tarde, em nosso lar, surge um vazio…

Nossos filhos sairão de casa, para enfrentar a universidade, sairão de casa para o primeiro emprego, sairão de casa para uma viagem, enfim, sairão de casa, principalmente para casar e constituir, sua própria família.

Nesse momento, da “despedida”, da “separação” da família, surge a sensação de “vazio”, de insegurança, de medo, e a tristeza chega – é a “síndrome do ninho vazio”.

A chamada “síndrome do ninho vazio”, é uma condição caracterizada pelo surgimento de um quadro depressivo, por parte dos pais(afetando geralmente a mãe), após a saída dos filhos de casa, a partir do momento em que eles se tornam independentes, partindo para outra moradia.

Mas, nesse momento o(a) jovem que está se preparando para o casamento, também é afetado emocionalmente. São muitas mudanças e exigências, que se misturam com a alegria do momento…

As emoções que envolvem esse momento de mudanças, na vida dos filhos e dos pais, são tantas, que misturam a alegria de ver filhos se casando, com a tristeza da separação, quando eles vão para outro estado ou até outro país. É uma verdadeira confusão de sentimentos.

Como compreender e aceitar os sintomas desconfortáveis, que esse momento traz e entender, porque o espaço fica maior do que é na realidade – as mães descobrem que os filhos cresceram, trabalham, viajam nos finais de semana e ficam longe de casa, tornam-se independentes e surgem a sensação de estarem “perdendo suas crianças” e ficaram com o colo vazio.

Algumas mães, que sofrem nesse período, entram em profunda tristeza ou até depressão, porque às vezes o afastamento dos filhos, coincide com o período da menopausa, que também gera conflitos.

Carmen Pires é psicóloga, psicopedagoga, consultora em Gestão de Pessoas e membro da Primeira Igreja Batista de Campo Grande (RJ).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *