O julgamento da família!

“O que ouvimos e aprendemos, o que nossos pais nos contaram, não os esconderemos de nossos filhos; mas contaremos à vindoura geração os louvores do Senhor, seu poder e as maravilhas que fez”. Sl 78.3-4

Há alguns anos passados, assisti a uma encenação onde a família foi levada a julgamento, algumas pessoas e situações a condenavam, como instituição retrógrada, falida; contudo, alguns, a defenderam, enfatizando seu valor imensurável…

No Salmo acima, Asafe compartilha algo singular para a vivência e preservação da família, a transmissão de valores de pais para filhos.

Quando o Senhor separou um povo para conduzir, havia a promessa da conquista da Terra, contudo, uma das prioridades de Deus, era a herança espiritual, os pais ensinarem aos filhos os feitos do Senhor.

Uma das dificuldades que neste tempo se observa na vida familiar é a ausência de projetos sólidos para conquistas familiares, há muita futilidade social, também pela ausência de Deus; ainda na esfera religiosa, há famílias que apenas buscam bênçãos materiais, subida para o sucesso, utilizando alguns slogans tais como: “esta semana sua casa será repleta de bênçãos, quem crê dá uma curtida aí” – tais atitudes se baseiam na crença de que Deus tem como meta manter seus interesses, e na verdade, não é. O Senhor diz na Sua Palavra que o justo viverá por fé (Rm1.17), em toda e qualquer esfera a família deve viver por fé, quer seja na vertente econômica, quanto na preservação de si mesmo, a família vive por Fé!

A despeito de toda crise pela qual a sociedade expresse, resultante de desajustes a partir da família, é nela mesmo, o lugar onde a esperança para o diálogo, a preservação dos valores, as experiências de perdão podem acontecer, seu cenário, projetado pelo Senhor, subsistirá a qualquer descrédito e julgamento, pois, quando a edificamos nEle , todas as situações tornam-se superáveis.

Que nossa família, ainda que composta de pessoas imperfeitas, seja considerada absolvida pelo Senhor que nos mantém, nos guarda, nos dá vivência.

Família, qualquer que seja seu sobrenome, Silva, Santos, Ribeiro, Lopes, sejas absolvida!

Lídia Lopes é bacharel em Teologia pelo Seminário Teológico Batista do Sul do Brasil, com convalidação na Escola Superior de Teologia (RS). Professora de Hermenêutica e Visão Panorâmica do AT e NT no Seminário Teológico do Oeste e Palestrante.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *