O grito da mulher sábia (II Samuel 20.16-22)

Por que razão gritou esta mulher? Ela tinha motivos suficientes para isto? Quem sabe pudesse resolver a questão falando baixinho. Será?!

O momento era de perigo, perigo iminente, aliás; sendo assim, por que não resolver no grito? Ele foi extremante necessário naquele momento, por isso ela gritou: Alto lá! (na minha versão, rsrs), digam a Joabe, por favor [expressão bem típica de nós mulheres num momento tenso como este, e o hebraico registra esta palavra, embora as traduções não a considerem importante], para ele vir aqui falar comigo. E, quando ele veio, ela lhe disse: Tu és Joabe? Como assim?! (rsrs) Ela manda chamar Joabe pelo nome, mas não o conhece?!!! Podemos, entretanto, entender que ela tenha se informado antes sobre quem era o capitão do exército.

Então ele veio: Ouvi as minhas palavras, ela disse. Ele prontamente lhe diz, com voz imponente de capitão: Ouço.

Depois de pronunciar um ditado popular em Israel, ela diz: Eu sou uma das pacíficas e fieis em Israel (identifica-se ao capitão), para depois colocar diante dele sua causa e petição: Tu procuras matar uma cidade que é mãe em Israel, ela afirma. E depois ela pergunta: Por que, pois, devorarias a herança do Senhor? Suas palavras desconcertam o capitão: Joabe gagueja, e lhe diz: De… de…je…jei…to nenhum, não quero aniquilar ou destruir. Não é bem assim… Só quero Seba, o homem que levantou a mão contra o rei Davi. Ok, concordou ela, e lhe disse: a cabeça dele será lançada por cima do muro. Imagino que Joabe tenha ficado ali, atônito com aquela atitude. O que será que vai acontecer?

E, na sua sabedoria, a mulher sábia consultou a todos de sua cidade, e assim o fizeram: Cortaram a cabeça de Seba e a jogaram por cima do muro, aplacando a fúria de Joabe e seu exército.

Muitas vezes, precisamos agir como esta mulher (imagino que muitos homens daquela cidade souberam de Joabe e seu exército, mas estavam calados), mas a mulher abriu bem a sua boca, pois o perigo, já bem próximo, nos obriga a gritar: Alto lá! Por favor, venha aqui, vamos conversar. E assim resolvemos nossos assuntos mais periclitantes, isto é, que nos expõem ao perigo. Primeiro o grito, que nos serve de alerta e chamada de atenção, depois o diálogo, que é a melhor maneira para se resolver tal questão.

Alto lá! Deus está no controle.

Edna Solange do Nascimento é autora do livro PORTUGUÊS ATRAVÉS DA BÍBLIA (lançado em 2016 pela PodEditora); está prestes a lançar a segunda edição na BIENAL deste ano.

Comments

3 Comments
  1. Avatar
    posted by
    Edinete
    jun 4, 2019 Reply

    Shalom Morá,amei o seu texto,nunca havia prestado atenção nesta passagem.

    • Avatar
      posted by
      Edna Solange
      jun 5, 2019 Reply

      Que bom que gostou, Edinete. Bjs.

  2. Avatar
    posted by
    Joana Maria Fernandes
    jun 6, 2019 Reply

    Sábia e destemida essa mulher!!! Obrigada por me enviar Esse Texto tão Profundo,amiga

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *