O Avivamento Desejado

avivamento

“Ouvi, Senhor, a tua palavra e temi; aviva ó Senhor, a tua obra no meio dos anos, no meio dos anos a notifica; na tua ira, lembra-te da misericórdia” (Hc 3.2)

Avivar: reacender, despertar, reanimar, tornar vívido.

A história do povo de Deus, Israel, é retratada por ocasiões marcantes em que numa retomada espiritual, o avivamento aconteceu. Em Números, capítulo, 8 está registrado o momento histórico, pós exílio quando: “…todo o povo se juntou como um só homem, na praça diante da porta das águas; e disseram a Esdras, o escriba que trouxesse o livro da lei de Moisés… (v.1)

Ações do Avivamento:

I. Interesse com a Palavra do Senhor– Homens, mulheres e todos os que podiam ouvir com entendimento – Havia fome em ouvir a Palavra do Senhor; para alguns, o primeiro momento em que ouviam o que estava no livro da lei.

II. Unidade de Propósito– “como um só homem” – ainda que possa ser uma experiência particular, individual, há preciosidade na busca do avivamento, o compartilhar, chamar outros para serem reanimados.

III. O Culto segundo Deus– “ Esdras, o escriba, ficava em pé sobre um estrado de madeira… e estavam em pé junto a ele, à sua direita… e à sua esquerda…” – (v 4) – junto ao escriba Esdras estavam os representantes das tribos – tudo era realizado segundo orientação posterior do Senhor; um aspecto cultural e transitório; contudo, devemos atentar para o mesmo princípio: o culto segundo o coração de Deus! “Em espírito e em verdade” – Erramos, omitindo esta verdade a uma geração desanimada, irreverente, distante, que não busca ao Senhor, se apresenta de qualquer jeito, que não ora, não medita na Palavra… O Senhor, em sua Palavra, usou jovens como instrumentos de referência em Nações pagãs…

IV. Quebrantamento – “…pois todo o povo chorava, ouvindo as palavras da lei” (v.9). A Palavra do Senhor trouxe ao povo lembranças de pecados, de desobediência, de distanciamento… os levitas consolam o povo: “…não vos entristeçais, pois a alegria do Senhor é a vossa força” (v.10) – A Palavra operante do Senhor, nos transforma, causa em nós, quando temida, desejo de mudança, de conserto.

V. Celebração – “E toda a comunidade dos que tinham voltado do cativeiro fez cabanas… pois não tinham feito assim desde os dias de Josué… E houve mui grande regozijo” (v. 17) – O povo celebrou a Festa dos tabernáculos, quando lembravam a habitação temporária dos antepassados no deserto! Que lembrança bendita: um povo guiado pelo Senhor que os libertou do jugo da escravidão; o povo que testemunhou as provisões, livramentos e atos miraculosos do Seu Deus. Sim, avivamento resulta em celebração pelo que o Senhor realizou na história, pelo que realiza no presente, em nossa geração, e pelo que realizará no futuro.

Que em nós assim se cumpra!

Lídia Lopes é pastora, bacharel em Teologia pelo Seminário Teológico Batista do Sul do Brasil, com convalidação na Escola Superior de Teologia (RS). Professora de Hermenêutica e Visão Panorâmica do AT e NT no Seminário Teológico do Oeste e Palestrante.

2 Comments

Deixe seu comentário