Mariana Milward: ela teve câncer, foi curada e agora tem o Daniel

Aos 24 anos, ela foi diagnosticada com câncer nas duas mamas. Carcinoma ductal infiltrante, grau 3 de elston, invasão vascular, alto grau de necrose, raríssimo. Este foi o diagnóstico apresentado pelos médicos a Mariana Milward, no ano de 2009.

Nascida num lar evangélico, Mariana, hoje com 31 anos, foi criada pela mãe, Bárbara. Ela é enfermeira, casada com o Wilson, e mãe do pequeno Daniel, o outro milagre que Deus lhe proporcionou.

Mariana conta que Deus já havia revelado que ela passaria pelo vale da sombra da morte e enfrentaria uma doença maligna. Ela é membro da Igreja Evangélica Missionária Fonte dos Que Clamam, em Duque de Caxias (RJ).

Levando uma vida normal entre faculdade, trabalho e igreja, ela conta que, ao receber o diagnóstico da doença, “não caiu a ficha”. “Só chorei. Depois, fui entendendo o que estava acontecendo. A gravidade e agressividade do tipo de câncer que estava enfrentando”. O prognóstico deste tipo de câncer é muito ruim.

O tratamento foi realizado no Instituto Nacional do Câncer (Inca), em Vila Isabel, zona Norte do Rio de Janeiro. Segundo Mariana, ela recebeu o acompanhamento de “profissionais maravilhosos”. Foram três sessões de quimioterapia vermelha e três de quimioterapia branca, com intervalos de 21 dias cada. “Apesar da imunidade baixa, continuei minha caminhada na faculdade e na igreja. Glórias a Jesus que me sustentou carequinha, fraca, debilitada, com os médicos achando que eu fosse morrer, assim como muitas pessoas”. Mariana conta que, por um momento, fez uma foto, bem cansada e com dores, achando que fosse o fim.mariana1

Após as sessões de quimioterapia, ela passou pela cirurgia da retirada das mamas e esvaziamento das axilas, não podendo pegar peso, fazer movimentos repetitivos ou se ferir em locais quentes para não desenvolver edemas nas axilas e braços. “E no meio disso tudo, enfrentei pessoas que, ao invés de ajudar, me falavam palavras de derrota”.

Mesmo tendo que conviver com pessoas que só a colocavam para baixo, Mariana teve também o apoio de pessoas que a ajudaram bastante nos momentos de dificuldades. “Tive bastante apoio da minha mãe, Bárbara; do doutor Marcelo, médico oncologista de um hospital militar; a diretora da faculdade Bezerra de Araújo, onde estudava, a professora Maria José; amigas de profissão, professores da faculdade; e a doutora Tânia Padilha, advogada e amiga que me ajudou, lutando pelos meus direitos; além de outras pessoas, que estavam sempre por perto, dando total apoio e tranquilidade”.

No momento de maior dificuldade, Mariana diz que chegou a duvidar de que pudesse sair daquela situação de dor e sofrimento. “Não temos como ter certeza. Altos e baixos. Melhoras e recaídas. Tive uma querida amiga, Raquel, enfermeira dedicada, inteligentíssima, que enfrentou o mesmo problema e foi para os braços do Pai. Isso foi um pouco depois do término do meu tratamento, deixando sua filhinha, família e amigos”.

O outro milagre

O tratamento do câncer e as sessões de quimioterapia e radioterapia podem causar esterilidade. Com isso, já casada, a Mariana foi aconselhada a adotar uma criança para suprir a maternidade, ou até mesmo, criar um cachorro.

Mas, se mantendo firme nas promessas de Deus, seis anos após o câncer, ela teve o Daniel, que nasceu no dia dois de agosto deste ano de 2015. “O Daniel chegou de repente. Falava que ele iria nascer agosto de Deus, e não é que nasceu? (Rsrs) Dia 2 de agosto, um pouco depois do aniversário do meu amor Wilson (20 de julho), e do meu aniversário (28 de julho)”.

marianaTotalmente restabelecida, Mariana vive sem as duas mamas, com as axilas esvaziadas e se adaptando às tarefas do dia a dia e os cuidados com o filho Daniel. “Estou curada, com o meu sonho nos braços, se alimentando do leitinho da farmácia. É um filho muito amado e desejado. Vivo ao lado de um homem temente a Deus, trabalhador e excelente pai. Conto meu testemunho, pois prometi a Deus, ajoelhada no banheiro do hospital, antes da cirurgia, que se fosse curada, contaria por onde passasse. Têm vezes que sou até chata (rsrs). Mas, cumprindo o que prometi a este Jesus maravilhoso, grandioso, curador, libertador, que me concedeu grandes livramentos. Obrigada, Jesus, pela cura do câncer! Jesus é a fonte dos que clamam! Fonte de águas vivas!”

Além de testificar do que Deus tem feito em sua vida, Mariana ainda tem outros projetos para o futuro. “Quero ter mais dois filhos, Ester e Moisés. Pensava em Marcelo, em homenagem ao médico que foi um anjo em minha vida, mas mudei para Moisés”.

Para as mulheres que enfrentam a mesma situação pela qual ela passou, Mariana deixa um recado. “Tenham fé, leiam a Bíblia, a Palavra de Deus; ouçam hinos, cantem; continuem suas vidas pois, esta tempestade, apesar de não parecer, vai passar. Para Deus, nada é impossível! ‘E, tudo o que pedirdes na oração, crendo, o recebereis’ (Mateus 21.22). Somente crendo! O nosso Deus é o Deus do impossível e fará o impossível por você!”

Por Sandra Freitas