Maria do Carmo: “Nunca imaginei que fosse casar com ele de novo”

O dia 8 de junho foi marcado por grandes emoções para a Família Costa. A alegria estampada nos rostos da Maria do Carmo, do José Vieira, e de amigos e familiares, demonstram o cumprimento de uma promessa e a possibilidade de reescrever uma nova história que foi interrompida há 38 anos.

Em 1º de julho de 1970, eles se casaram pela primeira vez. Isso mesmo! A Maria Do Carmo conta que os dois não eram cristãos e viviam numa vida boêmia. Na época, ela estava com 15 anos, e ele com 19. O casamento durou pouco mais de oito anos e eles tiveram três filhos: Cláudia, Jean e Raiane. “O divórcio foi motivado por bebidas e traições, da parte dele (José Vieira)”, conta Maria do Carmo.

De acordo com Maria do Carmo, nesse período, o José viajava muito, e os filhos, ainda muito pequenos não entendiam a ausência do pai. “Eles ficaram apavorados, em desespero pela ausência do pai. Depois, eu fui explicando para eles que, apesar de estarmos separados, ele continuava sendo o pai deles. E com o tempo, eles foram entendendo”.

O tempo foi passando e, cinco anos depois, o José se casou novamente. A Maria do Carmo também teve um outro relacionamento durante dez anos, mas não chegou a se casar.

O segundo casamento do José Vieira durou 30 anos. Da união, ele teve mais três filhas; e o mais importante: ele passou a freqüentar a igreja com a atual esposa, se converteu e foi consagrado ao ministério pastoral. Hoje, ele é pastor da Assembleia de Deus Oh, Glória, em São Gonçalo, na Região Metropolitana do Rio de Janeiro.

Com o passar dos anos, os filhos de José e Maria do Carmo, passaram a conviver com a atual esposa do pai e com as outras irmãs. E a própria Maria do Carmo sempre teve um bom relacionamento com a esposa do então ex-marido. “Meus filhos sempre se deram bem com ela. E eu também sempre estive muito próxima. Todas as vezes que ela precisava de alguma coisa, sempre estive pronta a ajudar. Cheguei a ficar com ela durante dez dias no hospital enquanto ela estava doente. Nunca deixei de cuidar das pessoas; e agora, sendo evangélica, cuidaria mesmo”, afirma Maria do Carmo, que se converteu há dez anos e atua como diaconisa.

Segundo Maria do Carmo, todas as mágoas do passado em relação à traição do marido já haviam sido superadas. “No dia que me batizei, tudo isso morreu nas águas; mas mesmo antes, já tinha perdoado”.

No dia 04 de janeiro deste ano (2019), a esposa do José faleceu. Maria do Carmo morava com a filha mais nova quando soube da notícia. “Eu fui ao enterro porque sempre tive uma boa relação com a Vera, uma relação de amizade mesmo”.

Após o falecimento da Vera, Maria do Carmo nunca imaginou que pudesse se casar novamente com o ex-marido. “Isso nunca passou pela minha cabeça. Meu irmão sempre dizia que um dia nós voltaríamos, mas eu achava que Deus não queria isso para a minha vida. A gente nunca espera o que Deus faz. Nunca imaginei que fosse casar com ele de novo, ainda mais ele sendo pastor”.

O tempo foi passando, e o José começou a orar porque havia muitas mulheres de olho nele (rsrs). Em meio às orações, Deus mandou que ele procurasse a primeira esposa. “Ele ligou para a minha filha, pediu o número do meu telefone, e então, me ligou, pedindo uma nova chance. Eu questionei no início, mas Deus foi falando comigo através da Palavra e através de louvores. Então, eu tive a certeza de que Deus estava no negócio e meu coração se abriu”.

Com tudo acertado entre eles, era o momento de reunir os filhos para um almoço e comunicar a decisão. “Comunicamos aos nossos filhos; dissemos que não estávamos pedindo permissão, pois a decisão já estava tomada. Eu disse ainda que teria uma condição: ele só colocaria a mão em mim, depois do casamento. E assim foi, durante os três meses de preparação”.

O recomeço

No dia do casamento, a emoção tomou conta de todos. Maria do Carmo diz que quando entrou na igreja, todos os convidados estavam chorando, inclusive o pastor Maxwel Cunha, que fez a cerimônia. “Era choro de felicidade. Eu pedi a Deus um companheiro, e Deus me deu um companheiro, uma casa, um carro e um pastor. E para os nossos filhos, foi a resposta de oração. O sonho deles era a nossa união”.

Trinta e oito anos depois, e ainda em lua de mel, a Maria do Carmo e o José querem aproveitar a vida. “Somos evangélicos, com outra cabeça, com a idade avançada; agora, é esquecer o que ficou para trás e seguir adiante. O que passou, passou. É uma nova história que Deus está escrevendo para nós; então, vamos aproveitar. Passear bastante, cuidar da nossa saúde, da nossa igreja, da nossa família”.

Para o José Vieira, “Deus estava preparando os caminhos para que eles se encontrassem novamente”. “Para Deus nada é impossível. Deus prova os corações; e Ele provou nossos corações e nos permitiu reviver um amor que ficou esquecido durante 38 anos. Aquela chama, de repente, acendeu. O amor está vivo aqui dentro!”, finaliza ele.



Por Sandra Freitas – editora do Espaço da Mulher Cristã

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *