Filho do meio é o mais problemático da família – e a ciência explica os motivos!

filhodomeio1

Ser o filho número dois não é fácil mesmo. Uma recente pesquisa conduzida pelo professor Joseph Doyle, do MIT (Massachusetts Institute of Technology), nos Estados Unidos, concluiu que o filho do meio pode ser uma verdadeira “ovelha negra” da família.

Filhos do meio dão mais trabalho?

O estudo sugere que a ordem de nascimento dos filhos influencia em diversos fatores no desenvolvimento das crianças, incluindo até a chance de uma pessoa ser delinquente no futuro.

Neste sentido, o trabalho confirma a lenda da “maldição do segundo filho”, dizendo que estes costumam ser mais problemáticos tanto na idade escolar quanto na fase adulta.

Junto com outros quatro pesquisadores, Doyle avaliou milhares de dados colhidos a partir de grupos de irmãos dos Estados Unidos e da Dinamarca.

De acordo com ele, os filhos número dois (especialmente meninos) apresentaram entre 25% e 40% mais chances de se envolverem em problemas sérios na escola ou com a lei, quando comparados com o filho mais velho da mesma família.

Tratamento dos pais é diferente

O estudo aponta que uma das razões que faz os filhos do meio se meterem mais em encrenca é justamente a educação dada pelos pais. Isso porque os filhos mais velhos costumam receber mais atenção e até mais cuidados por serem os primeiros herdeiros. Quando o segundo filho chega, os pais se tornam menos vigilantes.

Outro fator levantado por Doyle diz respeito aos modelos de vida de cada filho. De acordo com o pesquisador, os primogênitos têm como inspiração direta os adultos da família. Já os segundos filhos se espelham em figuras bem menos racionais, que são seus próprios irmãos.

É importante dizer que o estudo não tem o objetivo de apontar que uma regra de que todo segundo filho está condenado a uma vida mais complicada. No entanto, ele serve de alerta para os pais que já têm ou pretendem ter mais herdeiros.

Afinal, o tratamento dado para cada filho pode, sim, ter um impacto no futuro deles!

Fonte: Bolsa de Mulher

Deixe seu comentário