É o amor…

Nascemos, crescemos, nos desenvolvemos, amadurecemos, e a necessidade de ser “amada(o)”, perdura…

Dar e receber amor, é de proporção individual e assim diferente em qualidade e quantidade em cada pessoa.

Uns entregam-se intensamente ao outro e não recebem nem uma pequena cota que venha alegrar esse coração.

Outros são insensíveis a esse sentimento (amor) e não se doam e nem tão pouco recebem.

A carência afetiva de cada um vai depender do que buscam na trajetória de suas vidas, as expectativas criadas…

Não devemos criar expectativa demasiada no outro e nem em nada.

Os relacionamentos afetivos são afetados pela expectativa criada no outro, assim surge o desequilíbrio emocional e as pessoas iniciam um processo de cobrança do outro, sem proporção.

A maioria das doenças emocionais é desenvolvida pela falta de amor… Amor que se quer demais… Amor demais… Amor que não se recebe… Amor de menos…

Enfim, não espere que alguém te ame, te dê amor…

Ame, se doe, fale sobre amor, sinta o amor…

Assim, você evitará adoecer no emocional, na alma, no físico, no espírito…

Se tiver amor, não faltará alegria… Se não tiver amor, a tristeza fará morada…

Carmen Pires é psicóloga, psicopedagoga, consultora em Gestão de Pessoas e membro da Primeira Igreja Batista de Campo Grande (RJ).


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *