Desconhecida na terra; aprovada no Céu!

“Recomendo-vos, pois, Febe, nossa irmã, a qual serve na igreja que está em Cencreia, para que a recebais no Senhor, como convém aos santos, e a ajudeis em qualquer coisa que de vós necessitar; porque tem hospedado a muitos, como também a mim mesmo”. (Romanos 16.1-2)

 “Saudai a Rufo, eleito no Senhor, e a sua mãe e minha”. (Romanos 16.13)

Neste mês da mulher, estava meditando sobre a vida dessas mulheres, e de tantas outras que vemos na Bíblia, e gostaria de compartilhar com você algo que Deus tem falado muito ao meu coração. Recentemente, li um artigo sobre os propósitos de Deus na vida dos “coadjuvantes”, e foi algo que me fez pensar sobre a forma como estamos direcionando nossas vidas. Em meio a tanta exposição, busca por status, likes, reações e opiniões de terceiros, precisamos refletir sobre quem nós somos em Cristo.

Os versículos acima, são apenas uma parte da grande lista de saudações do apóstolo Paulo no final da Carta aos Romanos. Muitos nomes mencionados neste capítulo não aparecerão mais no decorrer da Bíblia. Paulo sabia da importância de ter amigos e se cercou de pessoas simples e anônimas. Dentre essas pessoas, estão oito mulheres; e ele comenta sobre cada uma delas. Algumas, como Febe, ele cita o nome; outras, como a mãe de Rufo, não têm o nome mencionado, mas têm a mesma importância no ministério do apóstolo Paulo.

O exemplo de Febe

No início do capítulo, Paulo apresenta e recomenda Febe à Igreja em Roma. Febe procedia de Cencreia, que era o porto de Corinto e o apóstolo pede que os romanos a recebam no Senhor e que a ajudem em tudo. Ele declara que Febe tem ajudado a muitos, como a ele mesmo.

E porque uma mulher chamou tanto a atenção do apóstolo Paulo? Febe servia na igreja com excelência; era hospitaleira e cuidadosa, cuidava de todos; acredita-se que esse cuidado incluía ajuda financeira. Era conhecida como uma “diaconisa”, isto é, uma ajudadora da igreja local. Era uma mulher respeitada.

Febe tinha vida com Deus; era uma cristã genuína, por isso, a recomendação de Paulo. Ela fazia parte de um seleto grupo de mulheres que fizeram a  diferença. Mulheres que buscavam mais de Deus e que se entregaram totalmente à Obra.

O exemplo da mãe de Rufo

Já no versículo 13, do capítulo 16, da Carta aos Romanos, a saudação de Paulo não é dirigida apenas a Rufo, mas também à sua mãe, a quem o apóstolo também tinha como mãe. Paulo tinha uma afeição pela família de Rufo, e em especial, pela matriarca daquela família. Não sabemos em que momento ou que atitude desta mulher fizeram com que Paulo a tratasse com tamanha consideração e respeito.

Esta é a única vez que a mãe de Rufo é mencionada na Bíblia. No entanto, sabemos que ela também teve grande importância na vida e no ministério do apóstolo Paulo. Pela maneira como Paulo se refere a Rufo (eleito no Senhor), podemos dizer que essa mulher tinha uma vida dedicada a Deus e criou os filhos segundo o coração de Deus.

O tratamento que a mãe de Rufo recebe do apóstolo Paulo mostra que ela agia como âncora, como apoio aos irmãos daquela época. Ele encontrou nessa mulher um apoio, encorajamento, que só uma mãe era capaz de lhe dar. E certamente, essa mulher foi “mãe” de outros crentes também.

A importância das mulheres no Reino de Deus

Febe e a mãe de Rufo são apenas dois exemplos bíblicos de mulheres que se destacaram em prol do Reino de Deus nesta terra. O apóstolo Paulo destaca a importância dessas e outras mulheres em seu ministério.

Em várias situações da Bíblia, as mulheres são tratadas com respeito. Jesus tratou as mulheres com respeito, valor e amor dentro de uma cultura na qual a mulher era tratada como um ser inferior ao homem. Ele as tratou com amor e respeito indo na contramão de uma cultura que as tratava como inferiores.

Vendo as histórias de tantas mulheres ao longo da Bíblia (no Antigo ou no Novo Testamento; anônimas ou identificadas) podemos perceber o lugar especial que Jesus dá a nós mulheres! Jesus valoriza as mulheres como um ser completo e especial; valoriza o encanto, o intelecto e a sua espiritualidade! Nenhuma visão de mundo, nenhuma luta, conflito ou busca por direitos e empoderamento concede mais respeito às mulheres do que em Jesus!

Sabendo que, independente de tudo o que mundo fala a nosso respeito, temos o grande desafio de sermos mulheres abençoadoras; mesmo que anônimas. Mesmo que seu nome não esteja estampado em lugar algum, continue fazendo aquilo que arde no seu coração; continue fazendo o que Deus te chamou para fazer, e sendo, quem Ele te escolheu para ser. Esse é o nosso principal papel!

O Evangelho, o Brasil, o mundo, precisam de mulheres como Febe, mas também de mulheres como a mãe de Rufo; anônimas, mas que fazem a diferença na vida da Igreja e da sociedade, espalhando o amor de Deus. Mesmo que sejamos desconhecidas na terra; que sejamos aprovadas no Céu. (1 Coríntios 8.3)

Feliz Dia Internacional da Mulher, em Cristo!

 

 

 

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *