Corações aproximados…

“Louvado seja Deus, o Senhor, pois Ele ouviu o meu grito pedindo ajuda” – (Salmos 28.6).

Certa vez em uma viagem de avião, um garoto, numa ansiedade muito grande, perguntava – Será que realmente me deixarão falar com o piloto? – o piloto então, bondosamente permitiu que o garoto entrasse em sua cabine. Depois de um tempo, o garoto reaparece dizendo – uau, estou super feliz em estar neste avião – nenhum passageiro no avião tinha um semblante, nem de longe, parecido com o garoto. O objetivo era de simplesmente ter um voo previsível, sem surpresas, o garoto porem queria algo mais, ver o piloto!

O Salmista compartilha neste e em tantos outros salmos, a intimidade de um momento em que, buscar ao Senhor, resultou em ações de graças, sua alma bendisse ao Senhor, numa precisão exclusiva em Deus. Situaríamos o salmista na experiência do garoto que, diferente da tripulação do avião, esteve bem perto do piloto.

Clamar a Deus e ter respostas são vivências de corações aproximados…

Corações aproximados nutrem a paz – Em Colossenses 3.15-16, o apóstolo Paulo interage a paz de Cristo com as nossas decisões. Ele havia aprendido sobre a fragilidade do coração humano… as paixões, o egoísmo, o orgulho são tendências que turvam nosso coração e nos atrapalham nos momentos decisivos. A ideal opção é nutrir a paz de Cristo, sendo a mesma, o árbitro, ou seja, quem direcione nossas decisões. Em momentos críticos, de angústia, de dissabores, busque mais proximidade com a paz de Cristo.

Corações aproximados nutrem gratidão – A gratidão e inseparável de uma vida alcançada pelo amor de Deus. Entender que um preço foi pago, quando não havia condições de pagamento, deveria ser o suficiente para manter corações gratos, mas não e assim… O curso da vida não para e rapidamente esquecemos-nos de apresentar ao Senhor, reconhecimento, gratidão pelas conquistas alcançadas…coração aproximado passa do nível de agradecer pelas bênçãos temporais, a benção da Presença Eterna e suficiente para manter um coração agradecido – a suficiência da graça para os dias bons e maus.

Corações aproximados nutrem o louvor – Cantem salmos, hinos e canções espirituais (Colossenses 3.16) – Paulo, certamente, não está falando apenas de um momento de celebração, mas de uma vida de contínuo louvor! O desafio não é ir a alguma igreja, abrir a boca e cantar… qualquer pessoa pode fazer isso. O desafio é continuamente ser a pessoa que o Pai procura – Adoradores verdadeiros! Essa motivação deve estar acima do medo da vida, das inseguranças deste tempo, das perdas, injúrias. A motivação deve ser louvar sempre e acima de (todas as coisas).

Que em nós, assim se cumpra!

Lídia Lopes é bacharel em Teologia pelo Seminário Teológico Batista do Sul do Brasil, com convalidação na Escola Superior de Teologia (RS). Professora de Hermenêutica e Visão Panorâmica do AT e NT no Seminário Teológico do Oeste e Palestrante.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *