Bebê não mama só por fome: descubra outros motivos importantes

O leite materno é o principal alimento para os bebês até um ano de idade – exclusivo até os seis meses e mais importante até o 12º mês. São mais de 200 componentes essenciais para a saúde do pequeno.

A nutrição, no entanto, não é a única função da amamentação. O ato, embora encha a barriguinha do bebê, fornece a ele outros benefícios que são igualmente essenciais.

Importância da amamentação

Além de matar a fome, o leite também serve para acabar com a sede do bebê. “O primeiro leite que sai é bastante aquoso e, por isso, muitas vezes o bebê quer mamar não por que está com fome, mas por que está com sede”, explica a pediatra Dra. Luciana Herrera, especialista em amamentação e educadora no grupo Aninhare, de Ribeirão Preto.

O sono é outro motivo pelo qual o bebê pede peito. A sucção, a temperatura da pele da mãe e o contato próximo com o barulho do coração são características que deixam o bebê mais tranquilo e, consequentemente, facilitam que ele pegue no sono.

Mas, além das necessidades fisiológicas, a amamentação também é alimento emocional.

Um bebê passou a grande parte da sua vida até então dentro do útero, um lugar apertadinho, escuro, quente e muito próximo do coração da mãe. Se adaptar à vida externa, além de muito aprendizado em pouco tempo, envolve também descobertas que, muitas vezes, causam medo e insegurança.

“A mamada é o momento em que o bebê está bem pertinho da mãe, quentinho, sentindo a pele dela e ouvindo o barulho do coração, sensações que remetem à segurança do útero que ele tinha até então”, comenta Dra. Luciana.

É exatamente por isso que o bebê mama também para:

– Matar a saudade do útero
– Não se sentir sozinho
– Quando está com medo
– Ou se sentindo inseguro

“A gente lembra tudo isso para dizer que a mãe não tem que ficar marcando a hora que o bebê vai para o peito e quanto tempo fica. Em cada mamada, ele precisa de uma coisa e de um tempo. Então, a amamentação tem que ser em livre demanda, o peito tem que ser oferecido sempre que o bebê pedir”, defende a pediatra.

De quanto em quanto tempo o bebê deve mamar?

Não é possível negar, no entanto, que além de um ato de doação de amor, a amamentação também é um processo difícil, que requer paciência e abdicação de muitas coisas. Mas, o primeiro trimestre é o mais difícil. Depois, a mãe e o bebê criam sua própria rotina. “Os primeiros três meses são muito intensos. O bebê está se adaptando, aprendendo. Conforme cresce, ele melhora a capacidade de sucção e começa a dar intervalos maiores”, tranquiliza a pediatra.

É exatamente essa necessidade de mamar muitas vezes que leva algumas mulheres a acharem que o leite materno pode ser fraco. “O bebê não vai mamar de três em três horas. Tem mãe que espera que isso aconteça desde o nascimento e não vai acontecer. Ele vai solicitar em um intervalo muito menor e não é por que o leite é fraco, mas por que ele ainda está aprendendo a sugar e precisa muito mais do que só o alimento”, reforça Dra. Luciana.

Bebê que mama na mamadeira

Quando por algum motivo o bebê não mama no peito e sim na mamadeira, além de as mamadas serem em horários específicos pelo peso do leite e tempo que ele demora para ser digerido, ainda é essencial achar outras alternativas para que ele se alimente dos nutrientes emocionais.

Fonte: Bolsa de Mulher

Comments

1 comentário
  1. Avatar
    posted by
    Myrleine
    jan 19, 2018 Reply

    Olá, estou desesperada, me descabelando praticamente. Meu pequeno tem três meses, mas dois dias antes dele completar três meses ele começou a mamar super mal, gritando quando tentava por ele para mamar, olhava para tudo mas não mamava. Ele só consegue mamar se eu colocar ele para dormir e quando ele tá quase dormindo dou o peito. Mas quando ele pega, ele mama bem, o problema é ele pegar, ele parece estar com fome, mas não mama e mama com menos frequência.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *