Allie Candler: aos 107 anos, missionária não desiste do ministério

alliecandler1

Allie Candler ainda consegue se lembrar claramente das duas semanas que mudaram sua vida para sempre, em 1932. Ela já tinha entregue sua vida a Jesus durante um avivamento na Primeira Igreja Batista de Lockhart, Carolina do Sul, dois anos antes. Mas ainda tinha assuntos a resolver em sua vida espiritual.

Ela se lembra de estar sentada em uma reunião de avivamento e ouvir uma mensagem do pregador sobre a “Mordomia da Vida”. Ela então foi confrontada com uma pergunta que mudaria sua vida para sempre: “Você já foi salva, mas você realmente tem dedicado sua vida a Ele [Jesus]?”.

Candler, que estava então sentada com o coro de sua igreja, desceu ao altar e orou: “Estou pronta para ser usada da forma que o Senhor puder me usar”.

Em um culto de domingo, duas semanas depois, Deus especificamente a direcionou para trabalhar com missões. Ao se lembrar do momento de seu chamado, ela conta que quando estava a caminho de casa, Satanás tentou dissuadi-la para não atender à voz de Deus, mas repreendeu o inimigo enfaticamente.

“Diabo”, disse ela, “eu não tinha nada a ver com você. O Senhor me chamou”.

Este dia ainda está bem claro na memória de Allie, parecendo que aconteceu recentemente, mas na realidade, ocorreu há mais de 31 mil dias. Enquanto os Estados Unidos saíam da Grande Depressão e Franklin Delano Roosevelt fez campanha pela primeira vez para ser o presidente da nação em 1932, Deus chamou Candler, aos 22 anos de idade para uma vida de dedicação ao Evangelho e ao trabalho missionário.

Candler serviu como missionária da Igreja Batista do Sul, na Virgínia. Embora ela tenha se aposentado oficialmente em 1974, continuou a servir o povo de Appalachia e atuar de forma extra-oficial em ações de evangelismo. Ela também serviu com o Conselho de Missão Estrangeira (agora denominado Conselho de Missão Internacional) em Kobe, Japão.

Hoje, 85 anos depois, esse chamado tem permanecido firme. Mesmo de sua de sua aposentadoria, Candler, de 107 anos de idade, se mantém como uma vigorosa defensora e promotora do trabalho missionário.

“Deus me chamou”, disse Candler. “Quando Deus nos chama, temos que atender”.

O vice-presidente de Desenvolvimento da Comissão Missionária Norte-Americana, Kim Robinson, recentemente apresentou Candler à equipe e a entrevistou durante uma reunião interna, com o objetivo de incentivar e fortalecer o trabalho missionário, inspirando a todos com a história da incansável evangelista.

Enquanto Candler olha para trás em sua vida, acredita que Deus a equipou para dois ministérios específicos: defender e equipar pessoas para o envolvimento das missões e ajudar novos convertidos a descobrirem a vontade do Senhor para suas vidas. Ela lembra com carinho que desempenha um papel ajudando várias pessoas a identificarem o chamado de Deus e incentivar diversas pessoas a se dedicarem integralmente ao ministério, incluindo pastores e missionários.

O compromisso de Candler com missões remonta às suas raízes familiares. Ela cresceu em uma família cristã. Dois de seus irmãos se tornaram pregadores batistas e sua irmã mais nova se casou com um ministro.

“Eu tive uma mãe e um pai que deram isso”, disse Candler. “Nós crescemos assim”.

A receita de Candler para honrar a Deus e alcançar tal longevidade não tem segredos: falar sobre o amor de Jesus às pessoas.

“Eu testemunhei todas as chances que eu tive”, disse Candler. “Eu acho que você cresce com isso também, você amadurece como um cristão quando você faz isso. As pessoas vinham até mim antes que elas chegassem a um pregador. Então eu tentava falar com elas, orar com elas e ajudá-las de todas as formas que eu podia”.

Fonte: Guia-me

Deixe seu comentário