A necessidade da maturidade espiritual!

maturidade1

Lembro-me como hoje, a primeira experiência do meu filho, ainda bebê, com a nova alimentação. O primeiro dia da “papinha”, tão aguardado por mim, mãe de primeira viagem, e a realidade dos fatos que se seguiram após a primeira colherada. Não preciso nem dizer que a expectativa em nada teve a ver com a realidade… A cada colherada um disparo era feito em minha direção. Meu bebê rejeitou a alimentação tão necessária para sua nova fase. Como explicar para aquele “serzinho” a necessidade emergente daquela nova etapa?  Boa para o desenvolvimento dos músculos da face, ou para o desenvolvimento físico cognitivo… Sinceramente, não são bons argumentos para um bebê!

O escritor de Hebreus tentou explicar aos seus destinatários, judeus cristãos de simples congregações, a necessidade de maturidade espiritual, com o objetivo de evitar um retrocesso religioso e na busca de um crescimento sadio que envolvia não só o desenvolvimento pessoal, mas o comprometimento com o ensino a novos irmãos.

“Pois, com efeito, quando devíeis ser mestres, atendendo ao tempo decorrido, tendes, novamente, necessidade de alguém que vos ensine, de novo, quais os princípios elementares dos oráculos de Deus; assim, vos tornastes como necessitados de leite e não de alimento sólido”. (Hb 5:12)

O público em tela era composto por ouvintes negligentes e descuidados, que não estavam prontos para aceitar as verdades da Palavra. Com percepções turvas, não desenvolveram seus dons, eram relapsos no estudo das Escrituras (Hb 2:1) e débeis na oração (Hb 12:12).

Para um bebê, a introdução de alimentos sólidos é uma questão crucial para o seu desenvolvimento, mas eles não o sabem. Para o cristão, o alimento sólido é uma questão crucial para a maturidade, mas eles não o buscam. Para o progresso, faz-se necessário a prática daquilo que nos é ensinado.

O escritor compara a fase de crescimento de um cristão a um treinamento de um atleta. Constante e consistente, assim que deve ser. Ninguém corre uma maratona da noite para dia, bebês não passam de leite à papinha do dia para a noite. É necessário treino, constância e persistência para que mais tarde se observe o resultado esperado. Deus espera que sejamos filhos dependentes sim, mas maduros para uma revelação ampla de suas verdades.

“Antes, crescei na graça e no conhecimento de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. A ele seja a glória, tanto agora como no dia eterno”. (2Pe 3:18)

Joyce Consoli é casada, mãe de três filhos; congrega na Igreja Batista Shalom em Brasília; e atua no Ministério de Louvor e pregação da Palavra.

Deixe seu comentário